quarta-feira, maio 22

CATALINAS E CATALINEIROS





Catalina amerissando. Imagem do Blog do Rocha, de Manaus-AM.

-         Passageiros em trânsito!!!!
(pausa)
-         Passageiros locais!!!!

       Era assim que, com sua potente voz,  o Sr. Moisés Cohen, agente da Panair do Brasil em Parintins, Amazonas, minha terra natal, anunciava aos passageiros que, em breve, o Catalina da Panair do Brasil iria levantar vôo, das barrentas águas do Rio Amazonas, no rumo de Manaus ou de Belém, e escalas, dependendo do avião estar “de subida” (se estivesse indo para Manaus), ou “de baixada” (no rumo de Belém).

      Aí, os passageiros pegavam a catraia, grande canoa movida a remo, conduzida pelo Osvaldo, o catraieiro responsável pelo trajeto porto-avião-porto, e seguiam na direção do hidroavião, que ficava fundeado, em frente à rampa lateral ao mercado municipal da cidade. Após a entrada de todos os passageiros no avião, a catraia se afastava e então, as hélices começavam a girar. Daí a pouco, o Catalina levantava vôo e seguia sua rota. Eu contemplava o banzeiro que se formava naquelas águas e acompanhava com o ollhar, a subida da aeronave, até se perder no horizonte. Imagens como essa, nunca se apagam na memória da gente. A chegada e a saída do Catalina da Panair movimentavam a cidade.

      Felicidade total, foi quando lá pelo início dos aos 60, eu entrava num Catalina, junto com meu saudoso pai Octacílio José Pessoa Ferreira, para fazer minha primeira viagem a Belém do Pará. Realização de dois  sonhos, voar num Catalina e conhecer a Metrópole da Amazônia.

(cai o pano)

        Uns 50 anos depois, em 2012, na visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, ao Hospital da Aeronáutica, em Belém, então comandado pelo amigo Coronel Médico Camerini, conheci o segundo sargento reformado, Walter Florentino de Souza, um Catalineiro. A conversa girou inevitavelmente sobre Catalinas e Catalineiros. Um gostoso papo saudosista em que conheci detalhes interessantes daquele hidroavião. Ao saber de minha vivência em relação aos Catalinas, Florentino ratificou um convite que, antes, já me fora feito pelo meu irmão de ordem, Enock Rabelo, também da reserva da Aeronáutica, o convite para ingressar na ABRA-CAT,  Associação Brasileira dos Catalineiros e colaborar para o fortalecimento dessa entidade que reúne os remanescentes trabalhadores nos catalinas e todos aqueles e aquelas que, de alguma forma, tiveram contato com os Catalinas, inclusive como passageiros.

      O Catalina era um avião bimotor, de uso militar durante a Segunda Guerra Mundial, construído pela empresa Consolidated Aircraft, para transporte e vigilância aérea. A Força Aérea Brasileira-FAB utilizava os Catalinas, em missões de patrulha no litoral brasileiro.

    Conhecido como Patachoca, em razão de sua aparência enquanto  flutuava sobre as águas, o Catalina voava a 250 Km por hora e  tinha autonomia para 4 mil quilômetros. Era movido por dois motores Pratt & Whitney, de 1.200 HP, cada um deles. Media quase 20 metros de comprimento, por 32 metros de envergadura de asas, aí incluídos os 2 flutuadores, as “canoinhas”, encaixadas nas extremidades das asas, que se dobravam verticalmente, no momento da amerissagem e facilitavam a flutuação e o equilíbrio da aeronave.

      Com o fim da guerra, o catalina já sem a couraça de guerra, dos canhões, das metralhadoras e bombas, assumiu uma nova função, a de busca e salvamento. Em 1958, foi reconfigurado para servir como cargueiro, prestando inestimáveis serviços à Amazônia, carente de infraestrutura aeroportuária. Só um avião anfíbio, que pousa em terra e na água, poderia operar na Amazônia com seu mundo de águas e atender as cidades que, logicamente, surgiram ao longo das calhas dos nossos rios, que Rui Paranatinga Barata poeticamente disse, serem as nossas ruas. Os rios, as ruas da amazônia.

      A partir de 1950, os Catalinas passaram a ser explorados comercialmente.  A empresa Panair do Brasil, utilizando os famosos PBY5 de 16 lugares e cadeira de vime, transportava passageiros entre as cidades amazônicas, numa rota que seguia basicamente a calha do rio Amazonas.    

      Os Catalinas amerissavam junto às cidades de Curralinho, Gurupá, Altamira, Monte Alegre, Santarém e Óbidos, no estado do Pará. Prosseguiam estado do Amazonas a dentro, servindo às cidades de Parintins, Itacoatiara, Manaus, Coari, Codajás, Tefé, Fonte Boa, Içá, São Paulo de Olivença, Tabatinga e Benjamim Constant, e adentrava o território peruano, alcançando as cidades de  Pebas e Iquitos.  

      Durante quase 20 anos, a Panair e seus catalinas desempenharam importantíssimo papel, na integração das cidades ribeirinhas da Amazônia, como descreve com extrema competência e felicidade raramente vista nos romances históricos, Ademar Ayres do Amaral, em sua densa obra “Catalinas e Casarões”, Edição do Autor, 2009. Ademar narra inclusive, os vínculos que se estabeleceram entre tripulantes da Panair do Brasil e pessoas da família dele.    

      Em 1966, o regime militar implantado no Brasil, dois anos antes, decretou a quebra da Panair do Brasil, num processo, até hoje, carente de explicações. As linhas aéreas internacionais daquela empresa, passarama a ser operadas pela Varig e as domésticas, inclusive a da Amazônia, pela então Cruzeiro do Sul, que mais adiante, foi absorvida pela Varig. A Cruzeiro ainda operou com os Catalinas, até 1968, quando os Patachocas foram “encostados”, passando então, a empresa,  a operar com os Douglas DC3, com uma particularidade. No extenso trajeto entre Belém e Manaus, apenas uma escala, em Santarém, ante a carência de aeroportos. O governo federal comprometeu-se a construir campos de pouso, tarefa que ficou a cargo da COMARA- Comissão de Aeroportos da Região Amazônica, que passou a construir aeródromos nos diversos municípios da Amazônia, não necessariamente nas cidades ribeirinhas.
DC-3  da extinta Panair. A partir de 1968, a Cruzeiro passou a operar na Amazônia, com esses aviões.
        A brusca suspensão das concessões da Panair do Brasil teve efeito catastrófico para as cidades ribeirinhas da Amazônia, em sua grande maioria aglomerações humanas de  pequeno porte, mas que mesmo assim, eram servidas pelos Catalinas. A partir de então, passageiros das cidades do Médio e Baixo Amazonas, por exemplo, passaram a se deslocar de barco, às vezes em condições precárias,  até Santarém, para, de lá, pegarem um avião, para Manaus ou para Belém.  Isso quem tinha boas condições financeiras. Os menos abonados passaram a utilizar unicamente o transporte fluvial que,  com o sucateamento da frota branca da ENASA, Empresa de Navegação da Amazônia e Administração do Porto do Pará, ficaram entregues a um  incipiente e precário transporte fluvial. Mas, isso é pauta para outra matéria.

        Com a extinção por decreto da Panair do Brasil, os Catalinas retornaram às Bases Aéreas da Força Aérea Brasileira.

        Na manhã do dia 19 de julho de 1984, o 6525, o último C-10 Catalina, que realizara seu último vôo oficial, em 12 de junho de 1982, na Base Aérea dos Afonsos/RJ, deu adeus aos céus da Amazônia, mais precisamente de Belém do Pará.

        Aquele  avião, que tem História, foi totalmente reformado na Base Aérea de Belém, por uma equipe de especialistas da FAB, de que o mecânico de estrutura de aviões, Florentino, fez parte. Essa equipe foi muito elogiada pelos veteranos pilotos americanos Roy E. Degan e Lee Andrews, os condutores do último Catalina, para os Estados Unidos, que se disseram impressionados com o estado de conservação e a capacidade operacional do velho Patachoca e elogiaram a FAB, por conservá-lo tão bem, em que pesem  os 40 anos de emprego operacional.  

       A solenidade de despedida do último Catalina, estava  marcada para a véspera, dia 18, mas um pequeno detalhe, na pressão do óleo de um dos trens de pouso, levou ao adiamento da viagem. O que não impediu o sobrevôo do C-10, 6525 sobre Belém, já com as cores da Airplane Sales International Corp., de Santa Mônica/Califórnia, que o comprou. Naquela ocasião, se pode ler sob o bojo do avião, “Adeus FAB, Adeus Brasil”.

       É quase impossível a um Catalineiro descrever esse fato histórico da aviação brasileira e particularmente da Amazônia, sem se emocionar. Especialmente ao lembrar que a despedida do último Catalina se deu exatamente, na véspera do dia 20 de julho, data de aniversário de Santos Dumont, patrono da Força Aérea Brasileira.

     

          A importância social dos Catalinas para as comunidades ribeirinhas da Amazônia, seja nas operações da FAB, seja na exploração comercial da linha aérea, pela Panair do Brasil me motiva a escrever um romance histórico em que se conte a saga dos Catalinas, lance luzes sobre esse período da nossa História ainda obscuro, se analise e se traga a público o real significado da presença dos Catalinas, na Amazônia.
         

           

6 comentários:

  1. O texto - primoroso que nem Açaí com pirão apimentado e um bom charque - revela [definitivo] o real significado da presença dos Catalinas, na Amazônia.

    De prima qualidade.

    Já está arquivado.

    Parabéns, Octavio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conto com você nessa pesquisa, meu irmão Benny Ffranklin.

      Excluir
  2. Octavio,
    simplesmente FASCINANTE esta tua matéria.
    Há a precisão do jornalista, há o mundo de uma história acesa e muito bem contada pelo inquieto e excelente escritor que és. Somos todos histórias, somos todos vida.
    Meus parabéns!!!
    Abraços,
    Daniel Leite

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado, meu amigo Daniel. Seu comentário, como sempre digo, qualifica meu trabalho e me motiva a produzir mais e melhor. Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Aguardando a publicação deste primoroso ensinamento aos amazônicas que não vivenciaram época tão significativa da aeronáutica brasileira!

    ResponderExcluir